Grupo de teatro de Governador Valadares busca estabelecer novas parcerias
28 de agosto de 2018
Dados do TSE MG apontam diminuição do número de jovens eleitores entre 16 e 17 anos
31 de agosto de 2018

Em tempos de crise, crie!

Empresários apostam nas mudanças políticas para aquecer a economia

Por José Ilton de Almeida
Aluno – 4º Período Jornalismo

Incertezas na política, aumentos constantes no preço dos combustíveis, dólar subindo, impostos elevados e juros altos, desemprego e inadimplência. O que isso tem a ver com a nossa economia? Tudo. A indefinição no cenário político e a alta de preços afetam diretamente o comércio e, consequentemente, o bolso do consumidor.

A situação econômica atual é preocupante, pois obriga os empresários, pequenos ou grandes, a adiarem investimentos e aguardar momentos menos incertos para iniciar ou retomar projetos. Junto com a incerteza e confundindo-se com a frieza dos números, veio também uma dose de pânico que, segundo alguns empresários, já passou e o momento agora é de expectativas, de esperar novos ares na política e no setor econômico.

Crise na economia brasileira já não é novidade, mas desde o impeachment de Dilma Rousseff o brasileiro vem suportando um longo período de incertezas e depositando todas as esperanças no pleito de outubro, principalmente para quem trabalha com o comércio. Para a maioria dos comerciantes, qualquer melhora na situação e as possíveis mudanças na política podem provocar uma virada no quadro e a retomada do crescimento econômico.

Para Vanderley Gomes de Souza, professor e dono de uma lanchonete que funciona numa escola do bairro de Lourdes, o reflexo da crise é percebido quando os pais cortam gastos e diminuem o dinheiro que dão aos filhos para comprar lanches, uma vez que a escola tem uma merenda de boa qualidade oferecida pelo governo. Segundo o empresário, houve uma queda de 15 a 20 por cento no seu faturamento desde o início da crise. Ele espera que com as eleições de outubro também venham mudanças e que elas possam trazer novos rumos à economia do país. “A crise que estamos vivendo hoje, o pior já passou. A tendência é melhorar, é o que a gente espera. Os índices mostram que de fato o pior já passou mesmo. A gente já consegue visualizar no final do túnel uma luz. Daqui pra frente, a economia, se tiver o respaldo das questões políticas, se as questões políticas forem mais organizadas, com os nervos menos aflorados, eu acredito que a economia acompanha isso”. O empresário enfatizou que apesar de a crise ser mundial, a política interna tem influenciado muito nos rumos tomados pela economia nos últimos dois anos, devido ao descontrole nas contas do governo.

O empresário Gilmar Lopes, que trabalha na área de estofamento para caminhões, também sentiu a crise, principalmente pelo aumento nos produtos derivados de petróleo, tais como cola, espumas e outros insumos, afetando seu comércio, aumentando os valores dos serviços prestados e tendo que diminuir o número de funcionários. “A possibilidade de ter uma mão de obra a mais, o próprio governo não dá condições de a gente trabalhar. Os impostos são muito altos, o incentivo fiscal é pouco e os impostos sobre serviços são muito elevados, então a gente começa a dar aquela ‘enforcada’, cortando gastos, diminuindo algumas despesas e às vezes até mesmo pensa em ter que dispensar algum funcionário”.

Gilmar também aposta nas mudanças na política para que a economia avance e o cenário melhore, criando novas perspectivas com a aproximação e após as eleições de outubro. “Enquanto não houver essa mudança na política, com as eleições em outubro, é esperar o próximo ano pra ver como é que o trilho vai, mas a gente não pode desanimar. O mercado hoje está vindo numa crescente muito boa. Então, a nossa expectativa é de melhoras”.

O empresário acredita que por estar localizado próximo à BR-116, na região de Governador Valadares, e ter poucos atuando no mercado em sua área de comércio, trabalhando diretamente com estofamento para caminhões, ele atende clientes de toda a região e do país inteiro.

É consenso entre o empresariado que a retomada da economia dependerá exclusivamente do governo, que não tomou medidas para sanar a crise quando deveria tê-las tomado e não fez seu “dever de casa”.

PRODUTOS CONFECCIONADOS COM QUALIDADE SUPERIOR PARA VENCER A CRISE – Imagens: José Ilton

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *